• Sobrac - Campanha Arritmias e Morte Súbita

  • Sobrac - Campanha Arritmias e Morte Súbita

Arritmias, taquicardia e parada cardiorrespiratória são a mesma coisa?

Fonte: Portal O que eu tenho?

Cada vez mais vemos na imprensa pessoas que sofreram algum tipo de “insulto” cardiovascular. São comentados termos como arritmia, taquicardia e parada cardiorrespiratória. Mas será que todos eles significam a mesma coisa?

O nosso coração bate em média de 60 até 100 vezes por minuto, em atividades normais. Dessa forma, qualquer frequência acima de 100 batimentos por minuto recebe a denominação de taquicardia.

Por outro lado, as arritmias cardíacas se traduzem por qualquer disfunção do ritmo cardíaco normal, chamado de sinusal. Nosso coração é composto de quatro cavidades, duas superiores chamadas de átrios e duas inferiores, chamadas de ventrículos, sendo que em qualquer uma delas podem se originar arritmias.

Agora, a parada cardiorrespiratória se mostra quando o coração não consegue desenvolver sua função de bombear o sangue e invadir os tecidos, mantendo a vida. Tal situação é extremamente grave e deve ser tratada imediatamente.

Então, se esses termos são tão diferentes e distintos, por que há tanta confusão quando são usados? A resposta é simples. Por muitas vezes estes eventos se correlacionam. Por exemplo, as arritmias de alta frequência, são taquicárdicas, portanto muitos preferem usar o termo taquiarritmias.

E na parada cardiorrespiratória, apesar de usarmos o termo “parada”, o coração necessariamente não está parado, mas pode sim estar em algum ritmo caótico, que não permite bombear o sangue para o corpo e invadir os tecidos.

Dentro desses ritmos se destacam a taquicardia ventricular sem pulso e a fibrilação ventricular, presentes em mais ou menos 70% a 80% dos casos de parada cardiorrespiratória. Esses ritmos, por sua vez, são arritmias e têm frequência alta, portanto taquicárdicas.

Por isso a confusão. Apesar de serem usados rotineiramente como sinônimos, não o são, pois determinam alterações distintas e devem ser tratados também de forma distinta e eficaz.

Por Maurício Rocha, cardiologista e membro da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac).

O próximo dia 12 de novembro é o “Dia Nacional de Prevenção de Arritmias Cardíacas e Morte Súbita”. Saiba mais sobre a campanha no site www.arritmiasemortesubita.org.br.

Veja também o vídeo da campanha AQUI.